"Quero imaginar sob que novos traços o despotismo poderia produzir-se no mundo... Depois de ter colhido em suas mãos poderosas cada indivíduo e de moldá-los a seu gosto, o governo estende seus braços sobre toda a sociedade... Não quebra as vontades, mas as amolece, submete e dirige... Raramente força a agir, mas opõe-se sem cessar a que se aja; não destrói, impede que se nasça; não tiraniza, incomoda, oprime, extingue, abestalha e reduz enfim cada nação a não ser mais que um rebanho de animais tímidos, do qual o governo é o pastor. (...)
A imprensa é, por excelência, o instrumento democrático da liberdade." Alexis de Tocqueville
(1805-1859)

"A democracia é a pior forma de governo imaginável, à exceção de todas as outras que foram experimentadas." Winston Churchill.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

A FARSA DEMOCRÁTICA BRASILEIRA (HEITOR DE PAOLA) PARTES 2, 3 E 4

A FARSA DEMOCRÁTICA BRASILEIRA (HEITOR DE PAOLA) - PARTE 1 DE 4

DEMOCRACIA NO BRASIL É UMA FARSA

HISTÓRIA DA DITADURA - ENTREVISTA COM O HISTORIADOR MARCOS NAPOLITANO

JAIR BOLSONARO DESTROI A ADESTRADA MARIANA GODOY

LEANDRO KARNAL: EU ADORO O CARNAVAL, BEM LONGE DE MIM!

BOLSONARO É MENCIONADO NO INFOWARS

Bolsonaro é mencionado no InfoWars


27 de fevereiro de 2017
postado por m.americo

CURTAS E BREVES NESTE DOMINGO DE CARNAVAL




Imagem relacionada
Blocos muito concorridos precisam ser organizados
SEM SOCORRO – O carnaval que entope as ruas precisa ser regulamentado, com policiamento rígido para garantir o direito de passagem. Quem mora na Avenida Atlântica, para citar só um local como exemplo por este país a fora, se precisar buscar socorro ou chamá-lo em casa, não consegue. As multidões impedem a chegada e saída das viaturas. De qualquer veículo. Nem o próprio consegue sair da garagem. Anos atrás a atriz Fernanda Montenegro nos dias de carnaval saía de casa com o marido, o ator Fernando Torres, e o casal se hospedava num hotel longe do entupimento dos blocos e das avenidas fechadas.  O marido estava enfermo e era cadeirante.

CONFISSÃO – A declaração do ex-goleiro Bruno é o suficiente para seu retorno ao cárcere: “Eu queria deixar bem claro, se eu ficasse lá, tivesse prisão perpétua, por exemplo no Brasil, não ia trazer a vítima de volta”. Esta sua última afirmação (“não ia trazer a vítima de volta”) confirma a decisão soberana do Tribunal do Juri que condenou Bruno (e outros comparsas) pelo sequestro, morte e ocultação do cadáver de Eliza Samúdio. Réu, acusado e condenado de homicídio, que ao ser premiado com sua libertação após cumprir 6 dos 22 anos de reclusão, afirma que a vítima não volta mais, confessou o crime. Nem é preciso prover o recurso no Tribunal de Justiça de MG para mandá-lo a novo júri. Confessou, espontaneamente.

CRIVELLA – Como prefeito do Rio, Marcelo Crivella, anda meio perdido. O caso do bebê Gabriel, seu governo resolveu, mas sob pressão. O recém-nascido de dois meses teve, enfim, os dois olhos operados (glaucoma congênito). Passa bem e está sendo muito bem atendido no Hospital da Piedade. Crivella voltou atrás e restabeleceu no Hospital da Piedade o serviço de pediatria, que ele tinha acabado da noite para o dia . O secretário de saúde, Carlos Eduardo Mattos nos ligou para tranquilizar.
A defesa do bebê Gabriel começou aqui na Tribuna da Internet e foi abraçada pela alta cúpula do Ministério Público do Estado, ao ler a matéria aqui publicada.
Já esse zumzumzum por causa da chave da cidade que Crivella não entregou ao rei Momo, isso é bobagem. Não conta. Respeitemos as convicções e a formação ética, religiosa, filosófica… de Crivella. Delas ele não abdica e pronto. Assunto encerrado. Grave seria se o prefeito proibisse ou criasse obstáculo para o Carnaval. Mas isso não aconteceu.

YASMIN – As tratativas que estamos mantendo com o presidente filipino Rodrigo Duterte, para mandar de volta (“deportation”)  para São Paulo a brasileira Yasmin (20 anos  de idade), que desembarcou em Manila com 6 quilos de cocaína e vai ser condenada à morte, estão indo muito bem. Tomara que o governo brasileiro continue de fora dessa negociação, que a Tribuna da Internet, com exclusividade, tem noticiado e publicado os documentos oficiais que o governo filipino nos tem enviado. Duterte deu valor e importância à mensagem de um desconhecido e anônimo brasileiro que intercedeu por Yasmin. Não é de hoje que Duterte já mostrou que não gosta dos governantes de alguns países, mormente os imperialistas, a quem dirigiu gestos obscenos. Mas Duterte conta com o apoio de 98% do povo filipino. Dizem que ele é “maluco”. É sempre bom tratar com um “maluco” que é aquele que perdeu tudo, tudo, menos o sentimento e a razão, como  dizia Chesterton, o famoso escritor inglês.

RECALL – Os fabricantes de automóveis acham que estão fazendo grande favor ao chamar, pelo rádio, jornais e tevês, os compradores de carros novos com defeito para a troca da(s) peça(s) defeituosa(s). Não estão. E “recall” pela mídia é muito pouco. Deveriam, também, mandar emissários à casa dos compradores (que não é difícil identificar e localizar) e fazer a comunicação pessoalmente. E substituir a(s) peça(s) defeituosas por outra(s) sem defeito não basta.
O legal e correto é trocar o carro por outro igual,  zero quilômetro e sem vício de origem e sem a mínima despesa para o comprador. Troca de peça é conserto. E quem compra carro novo, zero quilômetro, tem o direito de receber o veículo 100% testado antes e sem o perigo de usá-lo.E sem precisar de conserto. Para isso compra carro “zero”. Saibam os fabricantes que temos lei e o povo brasileiro não é trouxa.

SINAL DE TV – O governo decidiu trocar o sinal da TV, do analógico para o digital. O povo não pode pagar por isso. Se a troca importar em gasto para o povo, o governo federal (União & Anatel), é quem deve pagar o preço, seja de um adaptador ou de um aparelho de televisão novo. O povo-consumidor é quem tem o direito de optar. Vamos esperar para saber o que vai acontecer. Se a troca trouxer gasto, é certo que haverá muitas ações na Justiça Federal. E todas serão acolhidas e o governo sairá condenado pelos danos materiais e morais. Ninguém consegue viver sem um aparelho de televisão em casa.

TAL PAI, TAL FILHO –  nunca esse ditado popular foi tão concreto. Família que rouba unida, unida é presa. É o caso Jorge Luz e Bruno Luz, respectivamente pai e filho. Apontados como lobistas do PMDB e com prisão decretada pelo juiz Sérgio Moro, Jorge e Bruno voltaram ontem ao Brasil e foram imediatamente presos no aeroporto de Brasília e levados para a Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal. Na próxima quinta-feira serão transferidos para Curitiba. Estavam em Miami e a polícia de imigração dos Estados Unidos os capturou.

CABRAL – Dos presos, condenados ou ainda à espera de julgamento, o que está em situação pior é Sérgio Cabral. Até agora são 611 acusações por lavagem de dinheiro. Se mais da metade não forem procedentes, mesmo assim é muita acusação pesada contra o ex-governador. E se Cabral fizesse publicamente um “mea culpa”?
Nesse lamaçal, movediço e fétido, já houve um delator, Alexandre Margotto, que declarou que o médico veterinário Flávio Turquino não aceitou fazer parte do esquema criminoso de corrupção. “Ele ficou absurdado”, disse Margotto. E o dr. Turquino em seguida pediu exoneração do Ministério da Agricultura. E Turquino foi tido como o primeiro honesto da Lava Jato. Se temos o primeiro honesto, por que Cabral não se torna o primeiro arrependido? Cabral, que não tem mais nada a perder, pois já perdeu tudo, teria a ganhar com o seu gesto. 
Um ato de contrição é sempre bem visto e assimilado pelo povo brasileiro. Não exime o arrependido da pena. Mas que pesa no momento da sua dosimetria, pesa. Ainda mais se todo o produto da corrupção for devolvido aos cofres públicos.

27 de fevereiro de 2017
Jorge Béja

É MUITO MAIS FÁCIL MASSACRAR OS APOSENTADOS DO QUE RENEGOCIAR A DÍVIDA PÚBLICA


Resultado de imagem para aposentados charges
Charge do Lane (chargesdolane. blogspot.com)
Para entender a insistência do governo em reformar a Previdência Social, é preciso conferir o Orçamento da União e raciocinar como se fôssemos um governante ladrão, que precisasse de mais dinheiro para pagar os juros da dívida pública. Ao analisar o mais recente gráfico disponível, referente ao Orçamento de 2016, já em formato de pizza, fica claro como água que os mais vulneráveis são os velhos aposentados.
Nesse gráfico do pizzaiolo governamental, podemos ver que, depois do dinheiro reservado ao pagamento de juros (45,11%, imexíveis), a fatia que mais se destaca é a da Previdência Social, onde está localizada a retribuição, a simples devolução do dinheiro que os aposentados pagaram ao governo durante décadas, acrescida de juros e correção monetária, chamada de aposentadoria ou pensão (21,76%).
REFORMA DIFÍCIL – É claro que não será fácil fazer o Congresso aprovar essa monstruosidade contra os cidadãos, ao invés de tentar reduzir a dívida pública, através de renegociação com os credores.
Conforme já foi assinalado aqui no blog da Tribuna da Internet, a primeira dificuldade do governo será cumprir a exigência do ministro Celso de Mello e encaminhar ao Supremo Tribunal Federal o estudo atuarial sobre suposto déficit da Previdência, até porque esse cálculo jamais foi feito.
Além disso, o governo não poderá incluir nesse cálculo atuarial as despesas com aposentadorias de quem nunca contribuiu (trabalhador rural e idoso carente), porque isso não pode ser  considerado previdência, porque se trata apenas assistência social, que deveria entrar em outra rubrica do Orçamento.
E OS DEVEDORES? – Por fim, o governo precisa dar explicações sobre o inacreditável montante das dívidas acumuladas pelas empresas privadas e estatais da União, Estados e Municípios. Ao que parece, essas dívidas, que são três vezes maiores do que o suposto déficit da Previdência Social, jamais será cobradas.

ALGUÉM ACREDITA EM ACAREAÇÃO ENTRE YUNES, PADILHA, FUNARO E O DELATOR?


Resultado de imagem para yunes, padilha e funaro
Ilustração reproduzida do site Tijolaço
Reina a confusão, ninguém sabe quem está dizendo a verdade no caso da entrega da “doação” da Odebrecht ao PMDB, em dinheiro vivo, na campanha de 2014. Parece o célebre poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade, porque o executivo Cláudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, denuncia Michel Temer, Eliseu Padilha, Lúcio Funaro e José Yunes, que denuncia Padilha e Funaro, que pretende denunciar todos eles e exige uma acareação, enquanto Yunes que ser ser acareado apenas com o delator e com Padilha, que diz não conhecer Funaro, e Temer faz coro, afirmando que também nunca o doleiro/operador do PMDB, muito ligado ao ex-deputado Eduardo Cunha.
RECAPITULANDO… – Diante das contradições e da confusão, vale a pena recapitular a história, segundo a técnica dos investigadores, que sempre recomendam “seguir o dinheiro”. 
Como se sabe, José Yunes era assessor de Temer e pediu demissão do governo após ser citado no depoimento de Cláudio Melo Filho. O executivo contou na delação premiada que Temer, em um jantar no Jaburu, solicitou a Marcelo Odebrecht doação ao PMDB. Parte desses pagamentos, no valor de R$ 4 milhões, em dinheiro vivo, foi realizada via Eliseu Padilha, e um dos endereços de entrega foi o escritório de José Yunes em São Paulo.
“MULA INVOLUNTÁRIO” – Agora Yunes depõe espontaneamente e afirma ter sido usado por Padilha como “mula involuntário”, assinalando que o ministro lhe pediu que recebesse em seu escritório “documentos” que na verdade eram doação em dinheiro, e foram entregues pelo doleiro Lúcio Funaro.
Yunes conta uma versão fantasiosa, que os procuradores da Lava Jato contestam. Dá entrevistas sucessivas, numa hora refere-se a um pacote de certa espessura, em outra fala num envelope grande, mas R$ 1 milhão não cabem em envelope, é preciso ser um pacote volumoso e pesado, uma mochila ou uma mala.
O doleiro Funaro também desmente Yunes e exige uma acareação com o executivo da Odebrecht e com Padilha. Se houver acareação, a verdade poderá aflorar, até porque Yunes também quer ser confrontado com o delator Cláudio Melo Filho e também com Padilha.
SEM ACAREAÇÃO – O chefe da Casa Civil, porém, diz não conhecer o doleiro Funaro e não aceita ser acareado com ninguém, ou seja, prefere fazer operação na próstata do que ser obrigado a falar a respeito do penetrante tema, digamos assim. 
Se estivéssemos num país minimamente sério, o procurador-geral Rodrigo Janot já estaria providenciando a acareação, única maneira de se saber a verdade.  É a única autoridade que pode solicitar essa medida, porque Padilha ainda é ministro e tem foro privilegiado. Mesmo se a acareação fosse apenas entre Funaro, Melo Filho e Yunes, sempre dependeria do Supremo, porque Padilha está citado e diretamente envolvido. Ou seja, não haverá acareação.
###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – A ilustração do site Tijolaço, do jornalista Fernando Brito, é muito oportuna, porque remete à insistente reivindicação do ex-deputado Eduardo Cunha, que desde novembro tenta que Temer responda a 41 perguntas, e duas delas são as seguintes: 36 – O Sr. José Yunes recebeu alguma contribuição de campanha para alguma eleição de Vossa Excelência ou do PMDB? 37 – Caso Vossa Excelência tenha recebido, as contribuições foram realizadas de forma oficial ou não declarada? Mas o juiz Moro, infelizmente, cortou as perguntas, porque Temer também possui foro privilegiado(C.N.)

27 de fevereiro de 2017
Carlos Newton